O plano estratégico que a Cânovas Bebedouros aplicou para crescer o faturamento em 35%

O plano estratégico que a Cânovas Bebedouros aplicou para crescer o faturamento em 35%

A Cânovas Bebedouros é uma empresa familiar que entrou no mercado em 1983  oferecendo assistência técnica de geladeiras, freezers e câmaras frias.

Os fundadores, Sineilo Cânovas e Adriana Pablos, logo perceberam que o mercado possuía outra necessidade: bebedouros de água, principalmente para escolas. Essa visão empreendedora garantiu o pioneirismo à Cânovas, que começou a desenvolver seus primeiros modelos. 

A partir de seu desenvolvimento e domínio de mercado, foi a primeira empresa do segmento a adquirir o selo do Inmetro.

Para Rafael Cânovas, atual diretor, a busca por inovação do negócio se expande para todas suas áreas. Com esse olhar focado nas necessidades do mercado, a Cânovas decidiu investir em uma parceria para potencializar todo o time comercial da empresa que gerou um crescimento de 35% no faturamento.

Todo o potencial da Cânovas Bebedouros

Para blindar a empresa no mercado, o negócio contou com o apoio constante de especialistas, mentorias exclusivas sobre temas atuais em vendas e gestão, ferramentas e conteúdos práticos.

Ao especializar o time comercial da empresa, Rafael explica que os resultados logo impactaram os números. “Hoje a gente tem uma linearidade de faturamento. Cerca de 30%, 35% a mais. Eu digo em linearidade, porque antes era muito sazonal. Como a gente não tinha técnica, se o colaborador desfocava, ele desfocava muito”, o diretor conta.

Rafael também compartilha que a linearidade se baseou no aprimoramento dos processos do negócio. “Também teve a qualidade com que a gente mudou nossos atendimentos. Antes eram duas pessoas cuidando do fluxo de leads (oportunidades), agora são 10. Hoje eu invisto o dobro em anúncios também, e isso me deu mais liberdade de crescer a empresa. Porque antes não adiantava eu jogar um monte de lead lá no funil e ser um monte de leads que não vão conseguir seguir com a equipe. Então, a qualidade mudou muito”, Rafael compartilha.

O primeiro passo: a mudança de mentalidade

De acordo com o diretor, para alcançar esses resultados, uma das primeiras transformações da equipe foi em relação à mentalidade, que impactou como eles conduzem o dia a dia. “A equipe mudou muito em mentalidade empresarial. A pessoa não fica só atrás do salário, ela tá atrás do crescimento. Hoje, o pessoal trabalha o contato, a reunião, com muito mais técnica. É um conglomerado de informações. É nítido quando você analisa uma conversa e vê o que ele tá aplicando de técnica para chegar no objetivo, que o cliente também quer”

Esse desenvolvimento foi sentido por todo o time da Cânovas. Para o supervisor comercial Vinícius Silva, a quebra de antigas crenças sobre o setor de vendas foi fundamental. “Para mim, o mais importante foi enxergar vendas como uma profissão em que existem técnicas, processos e muito aprendizado por trás. O Victor Vieira sempre fala disso, do preconceito com o vendedor, de ser vendedor por falta de opção, etc. Mas essa minha visão não existe mais. O IEV me trouxe essa percepção de profundidade. Tudo tem técnica, tem propósito, e vendas move o mundo em todos os sentidos”, o supervisor conta.

No dia a dia, o time comercial pode dizer o mesmo. Aliada às técnicas que aprendeu, a vendedora Thami Leonel também compartilha que desenvolveu uma mentalidade de crescimento a partir do conteúdo do IEV. “Logo no início, pensando bastante em relação à história da empresa, como era minha primeira experiência no comercial, essas informações foram bem importantes. Através dessas informações, eu consegui alcançar uma segurança muito maior”, ela compartilha.

Uma equipe de especialistas

Os profissionais da Cânovas se desenvolveram em todos os pilares de conhecimentos, habilidades e atitudes necessários para criar uma equipe de elite. 

O supervisor comercial conta que, após o IEV, desenvolveu um olhar mais estratégico para o negócio. “O módulo de planejamento trouxe uma visão muito aguçada do que nós já fazemos, do que ainda não fazemos e de melhorias nos processos. As aulas aconteciam e parecia que tudo se encaixava”, ele explica.

Vinícius compartilha que, inclusive, foi surpreendido pela praticidade do conteúdo. “O módulo de prospecção também ajudou muito. Antes de começar as aulas, eu comentei com outro vendedor que ‘esse módulo não vai se encaixar muito na nossa realidade’, porque nós temos uma prospecção digital muito forte, só absorvemos o que chega. Eu achei que não se encaixaria por esse motivo. Porém, quando eu comecei a assistir, eu vi que eu estava enganado, não tinha relação com o que a gente achava. Vocês trazem essa visão para a carteira já existente. Ficou muito com a gente a questão da analogia da mina de diamantes, você explorar o que já tem. Isso trouxe mudanças, implantamos uma planilha de acompanhamento de carteiras”, Vinícius compartilha.

Para a vendedora Thami Leonel, os conhecimentos aprendidos simbolizaram, além de mudança, mais segurança frente ao cliente. “Antes, nos diversos canais que a gente atende, eu apagava fogo. Onde o cliente me pedia mais, me cobrava mais, é o que eu fazia primeiro. O IEV me trouxe uma visão de coisas simples, mas que precisam ser ditas. Por exemplo, uma linguagem mais simples, que parece óbvio, mas que você não faz antes. Também mudou o planejamento, a maneira de enxergar o cliente, enxergar a história da empresa”, ela conta.

Sede de mudança

Ao colocar os conhecimentos em prática, além de aprimorar seus conhecimentos, o time da Cânovas também desenvolveu processos eficazes.

“A gente não tinha calendário comercial, a gente não tinha nenhuma reunião semanal para estabelecer objetivos. Não tínhamos nenhum documento de feedback. Agora, os nossos têm diversas páginas. O colaborador precisa de segurança. Quando ele vê uma empresa desorganizada nas suas informações, ele fica desorganizado também. É aquilo que o Victor Vieira (professor e fundador do IEV) fala: temos que ter sede de mudança”, conta o diretor.

O primeiro passo

Rafael conta que a decisão de fechar a parceria com o IEV veio, principalmente, por um olhar diferenciado em relação às possibilidades de crescimento do negócio. “Desde que eu entrei na empresa, há 12 anos, eu vejo a equipe comercial sofrendo aquele monte de coisa. Hoje, eu vejo que mudou muito, como, por exemplo, a antecipação da informação. Antes, a gente não trabalhava com nenhuma projeção de venda nem nada do tipo. Começamos bem da base mesmo, treinando os colaboradores, e agora já trabalhamos com projeção”, ele compartilha.

Para o diretor, a proposta do IEV de aprimorar o time por completo fazia total sentido para diferenciar a Cânovas no mercado. “O IEV, desenvolvendo a equipe e o gestor, blindava o meu time. Eu, como diretor da empresa, consigo ter a visão do meu liderado e ter a visão da minha equipe. Também consigo tirar feedbacks para ver se isso está acontecendo. Quando eu vi uma equipe de ensino baseando a minha equipe, eu me senti mais seguro. Eu tenho um consultor dentro da empresa, mas faltava aquela parte teórica que o consultor nem tinha base, o consultor nem é para isso”, ele compartilha.

Assim, a partir de uma reunião estratégica com um especialista do IEV, todo o time comercial da Cânovas deu início ao projeto de desenvolvimento que garantiu os resultados citados.

Uma empresa blindada

Hoje, a parceria com o IEV faz com que Rafael enxergue o futuro da Cânovas com mais tranquilidade e certeza. “O que me dá muita segurança em relação ao IEV é o meu setor comercial estar cercado de diversas maneiras. Reuniões mensais, os feedbacks de vocês, para mim, da minha equipe. Eu sinto que o empresário, no dia a dia, não tem tempo mesmo para ficar analisando aquilo ali, tem que ser uma pessoa do comercial. Quando a gente tem vários braços para fazer acontecer, isso me dá uma segurança”, ele explica.

Para o supervisor, essa segurança também se dá em relação aos especialistas que conduzem o IEV. “Falando do curso de gestão, eu já tinha ouvido falar do Raul Candeloro (professor e sócio do IEV). É um conteúdo muito didático, tem uma didática muito boa. É um conteúdo direto, simplificado, mas muito rico. Não te traz aquela visão teórica, não te ensina a matéria. Esse modo ‘instrutor’ que o Raul adota é muito rico, porque ele traz a experiência dele, a vivência particular, com outros gestores. É um direcionamento do que você precisa fazer. Uma frase que o Raul fala já te dá insights e você pensa: ‘olha a riqueza disso’”, Vinícius conta.

Para Rafael, esse é apenas o começo de um processo de ainda mais crescimento para a Cânovas ao lado do IEV. “Eu ganhei tranquilidade comercial, porque eu realmente olho para outros setores e não fico atrás desse setor. Eu consigo me desligar e prestar atenção em outras coisas, e sei o quanto isso é difícil nas indústrias, de estar tudo dando certo, tudo sendo executado”, ele finaliza.

O IEV

O IEV surgiu em 2014 com o objetivo de fazer empresas, vendedores e gestores atingirem todo o seu potencial em vendas.

Para o IEV, vendas não é “jetinho”. Sem a mentalidade, processo comercial e prática, um negócio não consegue aproveitar as possibilidades e oportunidades do mercado. Com metodologia dos maiores especialistas em vendas, desenvolvemos a solução mais completa em vendas para empresas. Formamos profissionais de alto nível, acompanhamos resultados e desenvolvemos uma parceria de confiança. Assim, sabemos que a sorte não basta para te posicionar verdadeiramente no mercado.

Converse com um especialista em vendas do seu segmento e entenda como o IEV pode te ajudar a despertar os mais altos resultados no seu time.