O que é liderança transformacional e como aplicá-la

“Liderança é a arte de conduzir pessoas, atrair seguidores e influenciar as atitudes e comportamentos dos seus seguidores”. Essa é uma definição abordada por Raul Candeloro, sócio do IEV, professor do curso de Gestão de Equipes Comerciais e fundador da revista VendaMais. 

Ou seja, a liderança é a habilidade de guiar pessoas, na teoria e na prática, de maneira consciente, controlada e racional. O ato de influenciar consiste em exercer um poder sob outra pessoa e inspirá-la a fazer o mesmo que você, isso tanto quando falamos de atitudes, quanto de comportamentos.

Essas são as definições de liderança. No entanto, existem diversos tipos de liderança e, hoje, você vai saber mais sobre a liderança transformacional, uma ferramenta essencial para o desenvolvimento de colaboradores.

O que é liderança transformacional

O nome do conceito é autoexplicativo. Transformacional é um adjetivo ligado à palavra transformação. Ou seja, a liderança transformacional é a capacidade de, ao gerir a equipe, criar oportunidades para o time se transformar

Nesse estilo de liderança, os gestores são agentes importantes que inspiram e motivam os colaboradores, ajudando todos a crescer. 

Quando a liderança transformacional é bem executada, tende a proporcionar efeitos positivos a toda a equipe, como:

  • Os colaboradores conseguem evoluir profissionalmente;
  • Há mais espaço para aprendizado individual e coletivo;
  • Todo o time tende a se sentir mais motivado e engajado;
  • Os resultados e a performance dos colaboradores melhoram;
  • A evolução torna-se uma prática constante e uma maneira de pensar da empresa, não apenas um evento.

Qual o perfil de uma liderança transformacional

Os líderes transformacionais são pessoas que incentivam e apoiam os colaboradores na medida certa. 

De acordo com a psicóloga Angela Duckworth, autora do livro Grit (Garra – O poder da paixão e da perseverança), há quatro perfis de liderança que são comuns na empresa, mas somente um pode ser considerado como o verdadeiro líder. Os perfis são:

Negligente

Ausentes para a equipe e não conseguem exigir o necessário do time, seja por medo ou por desconsideração. Ou seja, esse perfil tem baixíssimos níveis de apoio e exigência. 

Permissivo

Como no exemplo anterior, esse gestor também tem um nível baixo de exigência, mas há um aumento no ato de apoiar a equipe. Por isso, diz-se que esse é o permissivo, porque ele possibilita que os colaboradores façam o que quiserem, não impondo regras ou cobrando quando preciso.

Autoritário

Esse é o perfil exatamente contrário ao anterior. Nesse caso, o autoritário não apoia a equipe, não sabe motivá-la, mas exige muito e de maneira tóxica.

O verdadeiro líder

Em último lugar, o verdadeiro líder é quem tem os níveis de apoio e exigências equilibrados e altos. E, para ser capaz de executar a liderança transformacional, é necessário desenvolver esse perfil. 

Como o líder transformacional faz a gestão da sua equipe

Os líderes transformacionais não lideram com foco em microgestão. Ou seja, o objetivo é inspirar, transformar e contribuir para o crescimento de toda a equipe. 

Esse perfil de gestão tem um pensamento estratégico de visualizar a liderança como uma prática completa, não apenas como um apagador de incêndios. 

Explicando melhor, pense em dois possíveis cenários:

  • Primeiro: em uma equipe é comum que apareçam problemas e que, em todas as vezes, o líder seja o recurso para resolvê-los, como o único capaz de achar uma solução para o que é apresentado, mas sem um plano claro das suas ações e um diagnóstico do porquê do ocorrido. 
  • Segundo: os problemas até surgem, como em todas as empresas, mas o líder incentiva a equipe a ter autonomia e capacidade para resolvê-los, quando for algo cabível a eles. Além disso, na verdadeira liderança, o gestor está a par dos processos do time e, assim, consegue antecipar possíveis situações que possam gerar problemas. 

Como você deve imaginar, o segundo cenário é o que se aproxima melhor do líder transformacional. Em resumo, as características de uma liderança transformacional são:

  • Incentiva e motiva constantemente os colaboradores a fim de desenvolvê-los;
  • Entende que o papel da gestão não é deter todos os processos, mas criar um ambiente onde os colaboradores possam se desenvolver e tornarem-se capaz de resolver desafios;
  • Dá enfoque à autonomia, criatividade e inovação;
  • Tem uma comunicação clara, assertiva e transparente. Vê os colaboradores como pessoas importantes para o desenvolvimento do negócio e contribuintes ativos das estratégias, não apenas como subordinados. 

Liderança transformacional e a diferença da liderança transacional 

Antes de falarmos sobre como desenvolver em si o perfil da liderança transformacional, é importante ressaltar o que ela não é: a liderança transacional.

Esse tipo de liderança é o oposto da transformacional. Nela, não há um líder, mas há um chefe autoritário, negligente ou permissivo. Qualquer um que não saiba como incentivar, apoiar e cobrar nas proporções certas o time, executa uma má gestão. 

Além desses pontos apresentados, a liderança transacional também tem foco apenas nos resultados imediatos; ela não considera o histórico ou o futuro para traçar estratégias. E, como já falado, esse perfil de gestão age como um apagador de incêndios, ou seja, espera um problema chegar ao seu ápice para resolvê-lo.

4 dicas para tornar-se um líder transformacional

Faça um auto-diagnóstico

Em primeiro lugar, você precisa fazer um diagnóstico de si para entender qual é o seu perfil de liderança. Quais são os seus resultados e como você tem contribuído para o sucesso do seu departamento. Para realizar isso, acompanhe alguns indicadores, como: 

  • O time está engajado e motivado? Uma equipe que não participa ou sente-se infeliz no trabalho é uma equipe que não entrega resultados e que tende a não avançar profissionalmente.
  • Quais são os resultados mês a mês do time? Eles têm evoluído? Caso não esteja, é possível que os colaboradores não estejam se desenvolvendo, se transformando em versões melhores.
  • Todos sob sua gestão sabem para onde estão indo? De acordo com Raul, quando se pergunta para os colaboradores qual é a meta do departamento, por exemplo, e cada um dá uma resposta diferente ou não conseguem responder, isso é sinal de uma má gestão.

Faça uma reunião estratégica com o nosso especialista e entenda um pouco mais sobre quais são os pontos que você deve melhorar na sua equipe para ter os maiores resultados. .

Trace um plano de ação

Em segundo lugar, é necessário pegar todos esses dados e traçar um plano de ação. Por exemplo, se você percebeu que tem problemas de comunicação com a equipe, quais estratégias deve adotar para melhorar esse ponto e se tornar, cada vez mais, um líder que contribui para a transformação dos colaboradores?

Tudo isso precisa ser feito com base nos indicadores e também pensando nos objetivos futuros do departamento. Pense em como evoluir e ajudar o time a alcançar a excelência de maneira saudável e escalável. 

Peça ajuda a profissionais experientes

Em terceiro lugar, conte com a ajuda de outros profissionais experientes. Ser um líder requer habilidades específicas e também a capacidade de se reinventar e aprender no dia a dia. Mas a tarefa mais importante não é apenas conseguir organizar a equipe, é transformá-la em um time de alta performance, sempre evoluindo. 

Invista em treinamentos

Faça treinamentos constantes para melhorar como um líder, e também implemente essa cultura dentro da empresa.

Ao sempre buscar a evolução, você caminha, cada vez mais, para a excelência. Assim, consegue se transformar em um profissional melhor e refletir isso em sua equipe.

Nesse caso, um curso do IEV que recomendamos a você é o Gestão de Equipes Comerciais (GEC). Com doze módulos, ele te ajuda a enfrentar os desafios da liderança e a tornar-se um líder comercial completo, capaz de guiar a equipe para os maiores resultados. Clique aqui e confira.