Gestão estratégica: 11 lições de xadrez para aplicar na sua liderança

Você sabia que o xadrez é um ótimo exemplo para aprender mais sobre gestão estratégica? 

Há um certo tempo, a série “O Gambito da Rainha” chamou a atenção de milhões de espectadores e usuários da internet. Ela foi produzida pela Netflix e, nela, Elizabeth Harmon (Anya Taylor-Joy) aprende a jogar xadrez depois de parar em um orfanato após uma tragédia familiar. 

Beth descobre que possui muita habilidade com o esporte e decide se tornar uma jogadora profissional. No entanto, na década de 1950, o xadrez ainda era dominado pelos homens. Assim, em sua jornada, ela precisa enfrentar a descrença de seus oponentes e conquistar um lugar de destaque no jogo. 

A série, além de possuir lições muito importantes e ter um enredo muito interessante, também colocou o xadrez em evidência. Por isso, decidimos trazer um conteúdo especial para falar sobre o que esse esporte, que não é tão disseminado entre os brasileiros, têm em comum com a gestão estratégica e como você pode aplicar os ensinamentos para liderar melhor.

Origem do Xadrez

Antes de entender mais sobre a relação entre xadrez e gestão, é essencial que você conheça um pouco sobre a origem do jogo e como ele funciona. 

O xadrez é tão antigo que a sua história ainda causa controvérsias quanto ao seu país e ano de origem. Há teorias que acreditam que o jogo tenha surgido na Índia ou na China e, depois, tenha se espalhado pelo mundo. 

Porém, foi só na Europa que ele começou a ganhar ares mais profissionais com a criação de federações e campeonatos. Em 1851 foi disputado em Londres o primeiro torneio internacional, vencido por Adolf Anderssen

Atualmente, o jogador de xadrez usa 16 peças, entre elas peões, cavalos, torres, bispos, rei e dama. Cada uma das peças se comporta de forma diferente dentro do jogo. O objetivo é conquistar o rei do oponente. 

O xadrez como exemplo de gestão estratégica

Embora seja um jogo extremamente interessante, o xadrez não é um esporte que atrai tantas pessoas. Isso ocorre principalmente por ele exigir habilidades específicas, como dedicação, autocontrole, inteligência emocional e um grau significativo de complexidade. Você conhece mais alguma coisa que possua essas características? 

Além de ter essas semelhanças, xadrez e gestão tem muito mais em comum do que você imagina. Continue acompanhando este conteúdo para saber mais. 

Alcance das metas

O grande objetivo do xadrez é que você capture o rei do oponente, certo? Com certeza, na sua empresa também existem metas que precisam ser alcançadas. Mas, assim como no xadrez, é muito fácil se dispersar no meio do caminho e acabar esquecendo o objetivo principal. 

Muitos jogadores amadores focam em capturar a dama do adversário, peça mais forte do jogo, e acabam sacrificando muitas outras peças e deixando o seu rei vulnerável. Então, assim como no xadrez, você precisa manter o foco na gestão estratégica e em alcançar as metas estabelecidas.

Sacrifícios

Mais uma característica compartilhada entre xadrez e gestão é a necessidade de fazer sacrifícios. Durante a partida, você vai precisar colocar peças em risco para que consiga chegar ao tão esperado xeque-mate. 

O mesmo ocorre na empresa, durante a jornada do seu negócio é essencial abrir mão de nichos, produtos, serviços e até mesmo de colaboradores. É importante saber a hora de agir para continuar tendo uma empresa competitiva no mercado. 

Estratégia e Planejamento

Você já viu que é imprescindível manter a meta em mente para ganhar o jogo ou ter uma gestão eficiente. Porém, o foco não é suficiente para te fazer vitorioso. É essencial também ter um planejamento antes de começar a se movimentar. Assim como você deve capturar o rei dos adversários, você também precisa proteger o seu. 

O jogo possibilita diferentes cenários desde o primeiro movimento, por isso, eles não podem ser feitos de forma aleatória. Analise todo o ambiente (mercado), táticas do oponente (concorrência) e alternativas para alcançar as suas metas. Ou seja, é preciso realizar uma gestão estratégica antecipadamente; planejar-se.  

Trabalho em equipe

Você não vai ganhar a partida se focar em utilizar apenas duas ou três peças. Até os peões, que possuem uma grande limitação de jogadas, são importantes dentro do jogo. Essa máxima de que é fundamental aproveitar todo o potencial das peças também deve ser encarado como um princípio da sua gestão estratégica. 

Toda equipe é importante para alcançar os objetivos do seu negócio. Assim, é a sua função desenvolvê-la para que alcance a máxima potencialidade mesmo com as suas limitações. O trabalho conjunto de cada membro do time vai fazer muita diferença na hora de alcançar a vitória. 

Nem sempre o primeiro vence 

É claro que é muito melhor começar a jogar com as peças brancas e ditar o ritmo do jogo desde o primeiro minuto. No entanto, ser pioneiro no seu setor não significa sucesso, assim como começar a jogar com as peças pretas não significa derrota. 

Mesmo que você esteja em um setor que já inovou nos processos e nas entregas, ainda é essencial buscar aprimoramentos e estar sempre atento aos desafios e nunca subestimá-los. 

Tomada de decisões

Você é o único responsável pela sua derrota no xadrez. O jogo de tabuleiro mundialmente conhecido se baseia, totalmente, na performance individual. 

Uma jogada errada e você pode colocar tudo a perder. Por isso, o xadrez é um exercício constante para desenvolver a gestão estratégica. Essa é a melhor hora de avançar contra o rei? Devo colocar a minha dama em perigo para criar uma armadilha? A cada momento é importante reavaliar a situação. 

Um líder precisa tomar decisões importantes o tempo inteiro. É a escolha dele que vai definir o rumo da empresa. Assim, mesmo que não seja possível acertar sempre, é necessário decidir de forma segura. Quanto mais conhecimento e experiência, mais confiança você terá. 

Prazos

Um dos fatores que fazem xadrez e gestão terem tanto em comum é a importância do prazo. Nos campeonatos profissionais existe um limite de tempo para que cada jogador execute a sua jogada. 

É justamente esse um dos motivos para que os profissionais treinem incansavelmente, eles precisam desenvolver  a habilidade de tomar  a melhor decisão o mais rápido possível e visualizar todas as alternativas depois do movimento de oponente. 

Além de conseguir agir velozmente diante de algumas situações, um gestor também deve respeitar e estabelecer prazos para o desenvolvimento das tarefas e ações. Isso é importante para fazer entregas e implementar ou dar prosseguimento a algum processo. 

Além disso, a gestão de tempo será imprescindível para que o gestor mantenha uma rotina produtiva. Assim, ele precisa aprender a gerir dentro do período de trabalho para que não fique sobrecarregado. 

Conhecimento do oponente

Grande parte da partida de xadrez não ocorre no tabuleiro, mas na mente de cada um dos jogadores. Esse esporte é marcado por uma disputa psicológica. Sendo assim, a linguagem corporal do adversário passa muitas informações. Conhecendo o temperamento e o estilo do seu oponente é possível prever algumas ações. 

Essa habilidade pode ser desenvolvida na gestão estratégica, pois é muito importante conhecer bem os concorrentes, quais são as características deles e como superá-las. Estudar a estratégia das marcas que disputam o mercado com você pode auxiliar muito na análise da sua própria estratégia.

Conhecimento do tabuleiro

O conhecimento do tabuleiro representa uma grande vantagem competitiva. Quando um jogador sabe todas as potencialidades do campo de jogo ele consegue encontrar atalhos e, assim, vencer a partida. É muito comum que os enxadristas prefiram ter domínio do meio do tabuleiro devido a vantagem especial, por exemplo. 

O mesmo vale para o mundo dos negócios. O tabuleiro pode ser uma alusão tanto ao mercado quanto a sua empresa em si. 

Um bom líder tem que ter conhecimento sobre as dinâmicas que ditam o segmento que ele atua e buscar preencher o maior número de casas possíveis.  

Além disso, precisa saber o que se passa dentro da empresa com os seus colaboradores. É claro que não estamos falando sobre microgerenciamento, mas um amplo conhecimento da situação do negócio e da equipe. 

Estudo 

Como você percebeu o xadrez não é um jogo fácil, mas é possível desenvolver todas as habilidades necessárias através do estudo. Conhecer aberturas, jogadas, estratégias, outros jogadores, a história do esporte e como outros enxadristas agiram em determinada situação pode te ajudar a construir um caminho de sucesso. 

Você deve aplicar o mesmo na gestão. Embora, muitos líderes acabem nessa posição devido ao alto desempenho, em outra área da empresa é imprescindível investir em conhecimento para que ele também alcance a alta performance na liderança. Assim, leituras e treinamentos devem fazer parte da rotina de um gestor de sucesso.

Prática

Ler livros e mais livros não te torna um enxadrista, apenas um admirador do esporte. Para se tornar um jogador é essencial que você pratique os conhecimentos que adquiriu e, assim, aprimore as suas habilidades. Ficar só na teoria não te ajudará a se tornar um esportista de alta performance na modalidade. 

Assim como você deve praticar o xadrez para aprender de verdade, o mesmo acontece com a liderança. Sendo assim, é muito importante buscar por treinamentos de gestão que tenham uma metodologia diferenciada. Ou seja, que tragam conhecimentos replicáveis na vida real e estejam atentos à realidade do mercado.

É necessário que o líder se comprometa a colocar toda a teoria aprendida em prática. 

Depois de ler este conteúdo sobre xadrez e gestão estratégica, você ficou interessado em começar a jogar xadrez e/ou aprimorar a  sua liderança? Para o segundo desejo, o Instituto de Especialização em Vendas tem a solução. Conheça todos os cursos clicando aqui