E-commerce para empresa: 6 segredos de uma loja virtual de sucesso

O comércio online se tornou uma tendência muito forte no Brasil. De acordo com um estudo conduzido pelo PayPal e BigData Corp, a expansão do e-commerce para empresa no país foi de aproximadamente 40% em 2019. E os dados para e-commerce em 2021 também são muito promissores.

O Relatório Global Outlook 2021, disse que trinta por cento dos e-commerces criados na pandemia do COVID-19 vão permanecer ativos após o surto. Além disso, há outro dado muito animador para esse setor: de acordo com a NZN Intelligence, 74% dos brasileiros preferem comprar pela internet.

A CSA, uma revista dos Estados Unidos sobre análises e tendências do varejo, apontou que no primeiro bimestre de 2021 os estadunidenses gastaram US$ 121 bilhões em compras online, o que significa um aumento de 34% ao ano.

Todos esses dados mostram como é essencial investir em estratégias que envolvam um e-commerce para empresa a fim de participar desse novo mercado.

Panorama do e-commerce para empresa em 2021

Segundo a companhia de logística DHL, há estimativa de crescimento geral de 22% até o começo do ano que vem. No caso do Brasil, o aumento deve ser de 17% nas vendas de por e-commerce em 2021. Dos países participantes, apenas o México apresentou uma porcentagem melhor, com crescimento de vendas por e-commerce em 2021 de 25%. É importante ressaltar que essa pesquisa foi feita antes da pandemia, que acelerou o crescimento das lojas virtuais. 

E-commerce na pandemia

Devido ao risco de contaminação do coronavírus, o comércio físico começou a restringir suas atividades durante a pandemia. Então, em cidades de diferentes regiões do país, os prefeitos determinaram o fechamento das lojas em alguns momentos. 

Por conta deste cenário, se fez cada vez mais necessária uma boa presença de vendas online.

Assim, coube aos lojistas se adequarem e buscarem novas formas de continuar com os seus negócios operando, mesmo de portas fechadas. 

Quem já tinha um e-commerce já saiu na frente. Pois com o fechamento das lojas físicas, os 74% dos brasileiros que preferiam comprar pela web poderiam continuar ou intensificar essa prática. Agora, esse cenário abriu espaço para que novas pessoas adquirissem esse hábito.

Certamente, a importância do comércio virtual só vai ampliar ainda mais. E, caso você ainda não tenha conquistado seu espaço na internet, saiba que ainda vale a pena começar a colocar essa como uma das suas principais estratégias de vendas para os próximos anos. 

De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o Brasil registrou um aumento médio de 400% no número de lojas que abriram o comércio eletrônico por mês durante a quarentena. 

Antes desta situação pandêmica, a média de abertura de e-commerces por mês no Brasil era de 10 mil.

Após os decretos de isolamento social, esse número saltou para 50 mil. Em maio, mais de 100 mil lojas já haviam aderido às vendas pela internet. 

De acordo com a ABComm, alguns setores que se destacaram foram:

  • Calçados (99,44%)
  • Bebidas (78,90%)
  • Eletrodomésticos (49,29%)
  • Autopeças (44,64%)
  • Supermercado (38,92%)
  • Artigos Esportivos (25,75%)
  • Móveis e Decoração (23,61%)
  • Moda (18,38%)

E-commerce para empresa: a perspectiva para o futuro

Como você percebeu, os e-commerces nos próximos anos serão uma realidade ainda maior para o povo brasileiro. Grandes varejistas do mercado já se consolidaram nesta área e perceberam que esse era o caminho anos atrás. 

O sucesso de um e-commerce depende de estratégias específicas e dedicação. Dentre grandes marcas que se destacam, como Amazon, Alibaba, e as brasileiras B2W e Magazine Luiza, podemos retirar algumas maneiras de basear as operações.

Tendências para e-commerce

Confira uma lista completa com dicas para você dar os primeiros passos e consolidar o seu e-commerce.

1 – Investir em tecnologia

A tecnologia e inovações constantes são essenciais para um e-commerce. Estar por dentro do que há de novo no mercado e saber quais são as tendências do setor é dever de quem investe nesse ramo.

O primeiro passo é a otimização das páginas e integração dos canais, permitindo que o consumidor consiga encontrar facilmente o que quer. 

A Inteligência artificial (IA) é uma grande aliada nesse sentido, com softwares capazes de organizar os produtos e chatbots para ajudar no atendimento.

Posteriormente, com os itens escolhidos, o cliente e vendedor devem ter a garantia de um pagamento seguro. Os blockchains, do inglês “encadeamento de dados”, registra as movimentações, analisando e aprovando as transações de maneira otimizada.

2 – Faça social selling

Social selling” é um termo que vem do inglês. Em tradução livre, ele significa “venda social“. Ou seja, é um ato que vai além de vender pela internet ― é manter o relacionamento com o cliente pela web e desenvolver rapport

Você pode fazer o social selling por meio, principalmente, das redes sociais. A ideia é sempre interagir com seu público-alvo, mas sempre da melhor forma possível.

Manter um bom contato pelo WhatsApp também é uma ótima forma de fazer a venda social. Inclusive, já é possível usar esse canal até para fazer pagamentos.  

3 – Logística

A evolução do e-commerce levou os consumidores à era da entrega imediata. Se antes o comum era esperar meses para receber um produto em casa, hoje em dia essa realidade não existe mais para quem quer ser competitivo. Por isso, os esforços em logística devem ser a prioridade.

Com a forte tendência dos pedidos por aplicativos, quem demora mais de uma semana para entregar uma compra, com toda a certeza, fica para trás no mercado. 

Invista em uma logística o mais simples e automática possível, que seja fácil para os consumidores e que não demore ou tenha frete caro.

Ofereça diferentes formas de envio e, sempre que possível, frete gratuito. Essas práticas ajudam, e muito, a chamar a atenção do cliente.

4 – Apostar no nicho

As grandes companhias de varejo online costumam dominar a venda de produtos mais genéricos, direcionados ao público de massa, pois têm estrutura para isso. Exemplo disso é a Amazon, que é muito forte na web e vende de tudo!

Por isso, o conselho aqui é o inverso: apostar em nichos costuma ser uma estratégia favorável às pequenas e médias empresas, que conseguem dar conta de atender um grupo de clientes mais específico com uma qualidade superior.

Os grandes canais de vendas geralmente possuem um volume maior de clientes insatisfeitos. Assim, se evidencia a vantagem dos empreendedores que focam em nicho. Eles conseguem oferecer uma qualidade muito superior nos produtos negociados e também criam uma relação mais próxima ao público.

Sem contar que, concorrer com as grandes empresas nem sempre é uma boa estratégia de venda, o ideal é se consolidar no meio do seu público-alvo.

Certamente, se estruturar em seu segmento aumentará a autoridade da marca. Por isso, o nicho é uma forte tendência para e-commerce em 2021. 

5 – Marketing digital

Sem tráfego dentro do seu site (pessoas navegando pela sua loja virtual), não há chances de você realizar vendas na internet. 

O marketing digital é o ato de criar estratégias para se fazer presente na web. Isso é possível com o desenvolvimento de conteúdos virtuais que chamem a atenção do seu público para conhecerem a marca. 

Ou seja, é uma porta de entrada para que qualquer pessoa possa se tornar um cliente. Trabalhe para engajar e reter os clientes por mais tempo comprando seus produtos.

Após isso, é importante que você saiba investir em canais que irão te trazer retorno. Novamente vamos falar das redes sociais: estreite seu relacionamento com os possíveis consumidores e os faça chegar mais próximo de você.

6 – Experiência do consumidor

No final das contas, o que vai assegurar o sucesso do seu e-commerce é a experiência do cliente, que pode ser traduzida na boa execução de todos os pontos anteriores.

Oferecer tudo de mais tecnológico que há no mercado para o cliente. Garantir um site navegável e seguro, ou seja, sem poluição visual e que funcione muito bem. Sanar as dúvidas dos consumidores. Oferecer uma entrega rápida e um relacionamento especializado no pós-venda. Essas são algumas das ideias para você seguir.

O e-commerce para empresa é uma necessidade, não é mais apenas um diferencial. As pessoas procuram por simplicidade e praticidade nos processos, e se você não oferecer isso, a experiência do cliente será negativa.

Para finalizar, sempre procure saber o feedback dos consumidores. Valorize a experiência de cada um, não só a positiva, e sempre dê o máximo de atenção a todos.

Depois de criar um e-commerce para empresa e desenvolver essas práticas, com toda a certeza o sucesso se tornará mais provável. E aí, vamos seguir vendendo?

Leia mais: Hyundai Grupo Geração aumenta a rentabilidade com desenvolvimento do IEV