Distribuir produtos de qualidade, agir com determinação e profissionalismo, cultivar a parceria com clientes e manter sempre vivo o processo de qualidade: esses são alguns dos princípios da Nordeste Atacado – empresa do segmento de redistribuição de produtos agropecuários – e nosso case de sucesso da vez.

Há mais de 30 anos nascia a Nordeste Atacado, fundada em setembro de 1987, por Marcus Madeira. Ao longo do tempo a empresa foi conquistando seu espaço e se consolidou no mercado nordestino. Atualmente, a empresa conta com 120 colaboradores internos e externos espalhados por 6 filiais (localizadas em Jaboatão dos Guararapes, Fortaleza, Petrolina, Feira de Santana, Itabaiana e Teresina). 

Os clientes da Nordeste Atacado procuram soluções que atendam todas as fases de uma safra, como redistribuidores trabalham com revendas agropecuárias. Os agricultores do norte e nordeste, em sua grande maioria, possuem módulos rurais pequenos em comparação a outras regiões do Brasil e contam com parceiros para que seus produtos cheguem aos consumidores finais.

 A Nordeste (assim como eventualmente a chamamos), iniciou com o Programa de Desenvolvimento Comercial do IEV em fevereiro de 2020. E logo nos dois primeiros meses – Marcus Jr. – Diretor comercial e de marketing, já percebeu uma grande diferença com o treinamento do IEV, como nos conta:

“(…) Meu nome é Marcus, eu sou Diretor comercial e de marketing de uma empresa familiar chamada EMIS Comércio e Representação LTDA (Nordeste Atacado), com 33 anos de atuação em mercado agrícola e redistribuição na região nordeste.

Nossos gestores vêm conduzindo o Programa de Desenvolvimento Comercial através de reuniões semanais e de boas práticas a aplicação dessa metodologia do IEV. Nessas reuniões, eles conversam e trazem os assuntos à tona e tiram dúvidas sobre o que tem acontecido semana a semana.

O resultado que a gente tem visto, nas mudanças no dia a dia são nítidos! Estamos há pouco mais de 60 dias no programa e a principal mudança é a atitude e o comportamento dos vendedores.

Conseguimos enxergar mais engajamento, mais motivação e mais dedicação!”

Marcus acrescenta que os treinamentos de Gestão de Equipes Comerciais e Especialização em Vendas estão contribuindo para que consigam equilibrar os resultados da equipe, fazendo com que mais vendedores atinjam as metas (individuais) estabelecidas pela empresa.

Principaios da empresa Nordeste Atacado.

Para o Instituto de Especialização em Vendas é um prazer enorme acompanhar a trajetória da Nordeste Atacado através de nossos treinamentos. Temos certeza que o comprometimento de toda equipe colabora muito para o alcance do sucesso e das vitórias que ainda serão comemoradas ao longo dessa jornada.

SIMPLICIDADE, FACILIDADE e CONFIANÇA! Estas são as premissas que norteiam os serviços da Ozônio Corretora de Seguros – que preza por um atendimento humanizado, sem burocracia, de qualidade e com a melhor relação custo-benefício. 

Fundada há 8 anos, a empresa Ozônio Corretora de Seguros, localizada em Criciúma\SC, é conhecida pelo excelente custo benefício e seu mix de produtos que vão desde seguros pessoais até seguros empresariais. Possui uma equipe treinada e atualizada, sempre preparados a atender todos os tipos de solicitações do mercado atual, desde sua comercialização até a solução dos piores sinistros.

Mesmo com profissionais altamente qualificados, a Ozônio está sempre em busca contínua por conhecimento, e foi em 2019, que começou o seu Programa de Desenvolvimento Comercial do IEV. A iniciativa partiu do fundador – Norton Martins – e também gestor da empresa que em pouco tempo já se destacou como um aluno de alta performance. Com uma equipe engajada e com sede de aprendizado, Norton se mostrou um líder preocupado com o desenvolvimento da sua equipe, sempre buscando participar de mentorias, desenvolver os importantes projetos do curso de Gestão de Equipes Comerciais, e consequentemente avançando em seus desafios.

No começo do desenvolvimento do programa, a Ozônio Corretora nos relatou que seus principais desafios eram trabalhar todo o mix de produtos e aumentar sua rentabilidade. “De 2017 para 2018 o faturamento cresceu 119%. De 2018 para 2019 o crescimento de faturamento foi de 147%. De 2019 para 2020 quero crescer pelo menos 120%”, é o relato que nos fazem.

“Foi uma jornada transformadora, desde março de 2019.” Durante o caminho, Norton decidiu fazer os dois cursos juntos – o de Gestão de Equipes Comerciais e o de Especialização em Vendas, disponíveis no pacote de Programa de Desenvolvimento Comercial, ele acredita que o sucesso atingido é também por isto. 

Norton acompanhou e viu seu time amadurecer muito. “Meus vendedores abordam com mais propriedade, falam mais sobre o mix de produtos da empresa e o trabalho em equipe melhorou bastante. Sei que retomarei os estudos através das apostilas, porque valerá muito a pena. É incrível como tudo dentro da empresa se profissionalizou” (verbaliza o proprietário da empresa).  

“Não só atingi como superei o meu desafio! Ao longo do programa, tracei uma meta para aumentar o faturamento em 120%, e ao final de toda trajetória, contabilizei um aumento ainda maior. O IEV colaborou muito para essa vitória!”

O gestor também afirma: “O IEV mudou nossa visão de funcionários, de empresa, de estratégia. Antes eu ia no “embalo das coisas”, provavelmente eu demoraria muito mais para reagir em uma crise, sofreria muito mais em um momento de dificuldade. O investimento vale muito a pena! Quando faz e vê o resultado, não quer parar, quer continuar.” 

Sem dúvidas o time do IEV, tem muito orgulho em comemorar essas vitórias tão importantes para a Ozônio e sua equipe. Muito sucesso!

Por Dane Avanzi

A pandemia do Covid-19 exige a revisão de tudo o que sabemos sobre administração de empresas. Num espaço curtíssimo de tempo, mudanças radicais nas vidas pessoal e corporativa criarão novos hábitos e comportamentos absolutamente imprevisíveis, seja no âmbito individual ou coletivo. Administração de empresas, ciências econômicas e contábeis, essenciais às companhias, demonstram cada vez mais porque se originam das ciências humanas, dependentes de equipes engajadas e comprometidas com o que fazem.  E, agora, a saída para que a economia mundial não entre em um colapso total está justamente aí: nas pessoas, na humanização dos processos. 

É certo que o modo como as pessoas reagirão definirá o futuro da economia mundial, que passou a ser menos globalizada e começa a caminhar para negócios mais locais. Nesse contexto, planejamentos, metas e workflows terão que ser repensados e reavaliados a toque de caixa, para que a organização possa reagir de modo positivo às severas fricções internas e externas que irão se impor nos próximos meses. Empresas com baixo grau de automação de processos e organogramas funcionais com vários níveis hierárquicos terão de se reinventar muito rápido para sobreviver. 

Tudo que se construiu de cultura, política e engajamento do time antes da pandemia será a base para seguir adiante. O nível de engajamento e aderência do time aos ideais da organização determinará, em grande parte, a capacidade de realizar trabalhos com sinergia e assertividade em ambientes colaborativos, especialmente em tempos de quarentena, em que o home office proporciona ampla autonomia ao colaborador. 

Nesse contexto, a clareza de visão do líder deverá ser capaz de separar o essencial do supérfluo, para que possa liderar à distância, rever processos visando atingir os objetivos e manter a união da equipe, que terá de aprender a reorganizar sua rotina. Levarão vantagem organizações que já possuam equilíbrio entre tecnologia RPA (Robotics Process Automation) e time multifuncional.  

Esse ponto de equilíbrio, abstrato e concreto ao mesmo tempo, pode ser considerado um ponto crucial para uma empresa da economia digital. Cabe aqui ressaltar que todas as empresas do futuro deverão criar produtos, serviços e soluções aderentes a essa nova maneira de fazer negócios, que tem como pilares a sustentabilidade, a colaboração e a visão social. Ainda falando de transformação digital, ao contrário do que se pensa, quanto mais se investe em automação de processos, maior devem ser a capacidade de liderança e engajamento dos colaboradores, o investimento em treinamento, o desenvolvimento de competências, visando tornar as equipes multifuncionais, independentes e inteligentes. Nesse contexto, o gerenciamento de emoções é o grande diferencial do líder, que somente consegue envolver ou liderar outros se for capaz de se envolver e autoliderar primeiramente a si mesmo. 

Em um futuro próximo, os líderes mais uma vez farão diferença, desde que consigam alinhar pensamento, palavra e ação com coerência e exemplos. Aqueles com dificuldade de lidar com vulnerabilidade terão uma lição de casa extra, haja vista a necessidade de lidar cotidianamente com situações inusitadas, sem precedentes e desafiadoras. Antes, decisões tomadas pela lógica, visando somente atingir metas e entregar resultados, maquiavam prejuízos intangíveis às planilhas. Daqui para frente, esses prejuízos aparecerão imediatamente. Portanto, somente serão viáveis as organizações que consigam harmonizar essas dimensões tidas até hoje como aparentemente antagônicas, mas que, na verdade, são aspectos da mesma realidade. 

Dane Avanzi é advogado, empresário de telecomunicações e diretor do Grupo Avanzi.

Sobre o Grupo Avanzi: O Grupo Avanzi atua há quase quatro décadas no mercado de radiocomunicação oferecendo soluções para comunicação corporativa de voz e dados em locais desprovidos de qualquer tipo de comunicação ou em sítios já providos de tecnologia de comunicação mediante a instalação e licenciamento de Sistemas de Telecomunicações. 

*Matéria enviada pela assessoria de imprensa

LEIA MAIS: Gestão – 7 plataformas com acesso liberado durante a pandemia

REDES SOCIAIS:

Para tentar conter os efeitos econômicos decorrentes da pandemia do Coronavírus, diversas empresas vem adotando uma postura de colaboração ao liberar o acesso aos seus recursos. Algumas startups de tecnologia, por exemplo, disponibilizaram plataformas de gestão gratuitamente.

Neste momento desafiador, ter uma ajuda para gerenciar o fluxo de caixa, tarefas, vendas e até mesmo a questão jurídica é uma boa pedida. Confira 7 sites que estão com o acesso liberado:

1 – Omie

O sistema de gestão em nuvem Omie está com serviço gratuito para MEIs e PMEs (faturamento anual até R$ 180 mil). Com o ERP, é possível organizar tarefas e obrigações, além de ter uma gestão financeira completa, integrada com o contador, e suporte da empresa.

Site oficial: Omie.Fit

2 – vhsys

A vhsys oferece seu sistema de gestão e recursos extras por 90 dias. Os benefícios incluem controle de finanças, estoque, venda pela internet e aplicativos de comunicação com clientes.

Confira aqui.

3 – Leixo

A plataforma de automatização de contratos liberou o acesso gratuito durante dois meses. O serviço conta com assinatura, gerenciamento e compartilhamento de contratos e também documentos.

Site: Leixo.legal

4 – Ahgora

O Ahgora Anywhere Office está liberado para utilização, sem custo de licença ou mensalidade, até o dia 30 de setembro. Trata-se de uma ferramenta de gestão de times remota, com marcação de presença e controle de produtividade.

Saiba mais: Ahgora

5 – Todo Cartões

A Todo Cartões, startup que opera os cartões presentes dos maiores varejistas do Brasil, desenvolveu uma versão gratuita de sua plataforma para que pequenos negócios também possam gerar essas vendas antecipadas, movimentando o caixa para enfrentar a crise.

Conheça a #todospresentes

6 – Loja Integrada

A ABIESV (Associação Brasileira da Indústria de Equipamentos e Serviços para o Varejo) e a CONAJE (Confederação Nacional de Jovens Empresários) uniram forças com a solução Loja Integrada para apoiar lojistas locais na transposição de seus negócios para a internet. O serviço é totalmente gratuito.

Saiba mais sobre o Apoie o Pequeno.

7 – mLabs

Para auxiliar na gestão das redes sociais, o mLabs oferece gratuitamente a ferramenta de agendamento de posts durante a crise. A plataforma também está com upgrade do pacote para quem já é assinante.

Confira: mLabs

BÔNUS

Durante a pandemia, o cuidado com a saúde dos colaboradores é indispensável para uma boa gestão. Pensando nisso, a empresa Nimbi, em parceria com a desenvolvedora portuguesa Do iT Lean, lançou uma plataforma gratuita para detectar sintomas da COVID-19 e auxiliar no bem-estar do seu time.

Acesse: Monitoramento de Equipes

LEIA MAIS: Site de cashback cria ação voluntária para compras on-line na quarentena

REDES SOCIAIS:

Flora Victoria, especialista em psicologia positiva, explica como evitar a procrastinação e que a falta de ânimo afete as pessoas durante a quarentena.

A convivência dentro de um isolamento forçado e sem possibilidade de diversão após o fim do expediente ou aos fins de semana, emendou o que é casa, local de trabalho, fazendo com que dias úteis se tornassem um grande feriado prolongado para muitos. E um dos efeitos inevitáveis a ser enfrentado nesta nova rotina é a procrastinação.

Mais do que a falta de vontade de fazer ou o hábito de adiar coisas, a procrastinação é definida por levar a um estado de mal-estar mental em que o pessimismo, a culpa e a falta de estímulo para mudar algo se tornam uma constante. Um dos desdobramentos mais graves dela é acentuar quadros de depressão e ansiedade.

Por isso, mais do que nunca é necessário combatê-la. Para Flora Victoria, mestre em Psicologia Positiva aplicada pela Universidade da Pensilvânia e Embaixadora da Felicidade no Brasil pela World Happiness Summit, essa atitude não é algo espontâneo que surge naturalmente. Ela exige força de vontade e organização para desenvolver uma rotina de tarefas, estudo e descanso durante o dia ou mesmo aos fins de semana.

“Desta maneira você mantém seu cérebro produtivo, ativo e se desafia a continuar criando, aprendendo, executando. Tal como uma bicicleta, o bem-estar mental só funciona bem quando nos mantemos em movimento”, informa Flora.

Para Flora Victoria a inércia leva ainda a um quadro de dor e sofrimento, que, para muitos, acaba se tornando uma zona de conforto para não terem de lidar com problemas que vão acentuar o estresse em um momento em que não há válvula de escape de férias, passeios e programas culturais para reduzir a tensão. Esse ato de “jogar para baixo do tapete” leva a um círculo vicioso que também pode adoecer a mente.

“Quando o indivíduo procrastina e estaciona nesse estado, criando uma zona de conforto, parece uma contradição, mas ele encontra prazer em abdicar do controle sobre as emoções. Então, em vez de procurar saídas criativas e soluções que exigem desenvolver forças mentais como sabedoria e equilíbrio, ele vai na contramão, procurando circunstâncias ou pessoas para culpar pelo seu estado. O sentimento derrotista de que você não é capaz, de que o que acontece contigo é culpa do outro ou de fatores externos, transfere a responsabilidade de tomar atitudes.”

Mas como evitar cair no derrotismo em tempos desafiadores? Segundo Flora, a chave está em buscar o seu propósito e não desistir de seus objetivos. A quarentena é uma fase que não durará para sempre. “Por pior que algumas situações tenham ficado, elas também não perdurarão. Porém, tanto a quarentena quanto as situações criadas por ela são fatores externos que não podemos mudar. Mas podemos mudar como encaramos a situação, como nos sentimos, como enxergamos cada adversidade e, por fim, como podemos e devemos reagir a ela. Essa pequena mudança de perspectiva é que faz toda a diferença entre sentir-se vítima das circunstâncias e o que faz com que você retome o controle e comece a mudar a sua vida, a despeito dos obstáculos”, ressalta.

4 passos para a mudança

Em tempos incertos como este, Flora Victória acredita que é importante destacar que o controle sobre nossos pensamentos, a responsabilidade sobre a atitude que tomamos e a forma como damos valor ao equilíbrio das emoções são nossos maiores ativos.

“Assim como a saúde, que é essencial para que possamos trabalhar, estudar, produzir e prosperar em nossos objetivos, seu bem-estar mental deve ser sua prioridade durante o isolamento”.

Para tal, a mestre em Psicologia Positiva indica 4 passos para atingir esse equilíbrio:

1) Mantenha uma agenda

Organize um dia para limpeza, para cozinhar, tempo para ler, estudar, trabalhar. E engaje toda a família na mesma atitude. Seu cérebro precisa entender que ele não está em férias, evitando entrar no modo “inércia”.

2) Crie um método para seu corpo se adaptar ao trabalho home office

Acorde todos os dias no mesmo horário, use uma roupa diferente do pijama e faça sua rotina habitual de tomar café, tomar banho, escovar os dentes, pentear o cabelo antes de se sentar para trabalhar.

3) Crie mensagens motivacionais para si mesmo

A quarentena pode fazer com que muitas coisas deixem de fazer sentido ou pareçam distorcidas em um momento de tristeza e baixa de energia. Então, cole na sua tela o porquê seu trabalho é essencial neste momento de isolamento. Porque é indispensável estudar mesmo se a sua escola ou faculdade estiverem paradas. Ou mesmo qual a razão de se manter em forma, em casa, para aquela corrida de rua que foi adiada para 2021.

4) Por fim, desafie-se

Esta é a melhor maneira da sua motivação voltar a engrenar. O ato de reclamar é fácil e nos dá prazer instantâneo. Mas a médio e longo prazo implanta um pessimismo crônico. Pense, antes de se render à reclamação, como é possível dar outra solução para um problema? Como transformar esse problema em oportunidade? Você vai se surpreender como a criatividade pode trabalhar a seu favor!

Recorde quais são suas metas de vida, o que te faz realmente feliz. E lembre a si mesmo que tudo isto passará.

*Matéria enviada pela assessoria de imprensa

LEIA MAIS: Como liderar uma equipe à distância com eficiência

REDES SOCIAIS: https://www.facebook.com/

Além de doar parte do dinheiro, o site Ganhe de Volta disponibiliza aos usuários opção de destinarem o cashback para instituições que estão diariamente lutando contra a pandemia

Os sites de vendas já sentiram os impactos causados pelo novo coronavírus. De acordo com a ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) nas últimas semanas de quarentena as lojas virtuais chegaram a registrar um aumento de mais de 180% em transações nas categorias Alimentos e Bebidas e Beleza e Saúde. Para cumprir as orientações de isolamento social, os acessos ao e-commerce atingiram os picos de vendas, assim como registrados em tempos de black friday, situações em que em apenas um dia são alcançados números de vendas previstos para o período de trinta dias.

A mudança significativa no comportamento do consumidor é vista nas ruas, onde estabelecimentos como supermercados e farmácias registram movimento bastante reduzido. Os decretos estaduais e/ou municipais que determinam o fechamento do comércio lojista de rua, shoppings centers e centros comerciais fizeram com que a população evitasse as compras em lojas físicas, mas isso não quer dizer que o consumo diminuiu, ele apenas migrou para o comércio virtual. Por isso, nos acessos on-line, os números crescem cada vez mais. E ainda se tratando de sites de cashbacks, onde o consumidor consegue receber de volta parte do dinheiro pago na compra, os acessos têm se mostrado cada vez maiores, de acordo com Yuri Penido, CEO do site de cashback Ganhe de Volta:

“Tivemos um aumento no número de clientes e acessos ao site de forma significativa. E apesar de ter crescido, percebemos que o comportamento dos clientes modificou bastante. Observamos uma mudança nas escolhas de compras, de itens supérfluos ou de desejos, para itens mais essenciais. E em apenas um dia, tivemos mais de mil novos cadastros na plataforma”

Cashback solidário contra o novo coronavírus

O momento de solidariedade de combate à Covid-19 e apoio às instituições que estão diariamente lutando contra a pandemia motivaram a equipe do site de cashback Ganhe de Volta. O site lança a Campanha “Cashback Solidário” e oferece a opção ao usuário para destinar parte ou todo cashback das compras virtuais a entidades da sociedade civil que estão arrecadando doações para ajudar no combate ao novo coronavírus:

“Aumentamos o cashback em lojas que atendem mais a necessidade dos brasileiros neste momento. Em alguns setores nós tiramos nossa margem de lucro e aumentamos nossos cashbacks, que podem chegar em até 4,5% para lojas de itens essenciais, como farmácias e supermercados. O cashback solidário foi uma forma de nós, do Ganhe de Volta, podermos ajudar a quem mais precisa da nossa atenção neste momento, por essa causa que todos nós estamos lutando juntos.”

Sulamytha Brum é auxiliar administrativo e internauta ativa no varejo digital. Ela utiliza sites de cashback para compras on-line e comenta que a ação estimulou ainda mais a busca por sites como esse:

“É muito bacana ver sites assim que incentivam o lado positivo que pode existir dentro de um ser humano. Vai muito além de dinheiro, é ser solidário. Ainda mais para nós consumidores em isolamento social, em casa, unindo o útil ao agradável de uma forma prática para essa doação.”

Raysa Monte é engenheira civil e em tempos de isolamento social está trabalhando home office. Ela também apoia esse tipo de iniciativa:

“Todo engajamento social para causa de ajuda humanitária sempre é bem-vindo. E quando está alinhado com ferramentas que nos ajudam diretamente em nosso dia a dia, se torna algo ainda melhor”

Acesse o cashback solidário do site Ganhe de Volta

Segurança no comércio virtual

E vale lembrar sempre o cuidado com a segurança no comércio virtual. As precauções continuam válidas: ao comprar pela internet verifique se é um site seguro, pesquise sobre a empresa nas redes sociais e procure reclamações da loja em sites do segmento.

Mesmo com diversas formas de confirmar a veracidade de um site, muitas pessoas ainda não se sentem confortáveis com a compra on-line devido aos quesitos de segurança dos dados pessoais e financeiros. Por isso, Yuri Penido, CEO do Ganhe de Volta, indica que é necessário confirmar a URL da plataforma para a qual o cliente será redirecionado por meio dos sistemas de cashback:

“É preciso verificar se a compra está sendo feita no site oficial da loja, sempre verificar a URL e nunca colocar dados pessoais e cartões de crédito em sites suspeitos. A melhor forma de se garantir é pesquisar a loja no Ganhe de Volta e ativar o cashback, pois só colocamos em nosso site lojas confiáveis e seguras”, garante o CEO.

Como funciona o cashback

O sistema utilizado no cashback é possível devido à comissão que as lojas pagam para cada compra que é redirecionada pelo site que utiliza esse meio de venda. O valor é dividido com o cliente em troca da fidelidade à plataforma, a loja recebe com a compra realizada e o próprio consumidor ganha descontos e dinheiro de volta. É o que explica Yuri Penido:

“A mecânica do cashback é muito simples: as lojas pagam para anunciar em nosso site e nós dividimos esse valor com nossos clientes. Muitos sites ganham essas comissões e não repassam para o comprador, nós achamos justo os dois ganharem que, assim, sempre haverá essa parceria, gerando um ciclo sustentável de economia”, comenta Yuri Penido.

Milhares de sites de variados segmentos são cadastrados em plataformas de cashback. No site Ganhe de Volta, por exemplo, são mais de 2.100 lojas parceiras e o diferencial é que o próprio sistema cobre, automaticamente, o valor de retorno dos concorrentes e ainda acrescenta uma bonificação de 20% do dinheiro que volta para o comprador.

Incertezas quanto ao futuro e alternativa para poupar

A pandemia que estamos vivendo gera incertezas quanto ao futuro. Pensando em economizar, mas ao mesmo tempo sabendo que é necessário comprar itens essenciais, os consumidores estão percebendo vantagens em sites que oferecem cashback. A insegurança causada pelo momento econômico também levou internautas mais focados em planejamento financeiro estratégico a longo prazo a acessarem com mais frequência os sites de cashback com o objetivo de poupar para momentos futuros, em caso de necessidade. Assim como comenta Raysa Monte, engenheira civil:

“Sites que oferecem cashback são uma ferramenta muito valiosa na relação de economia e organização doméstica, pois não temos como fugir de consumos essenciais, mas podemos nos beneficiar de forma muito vantajosa se houver planejamento e organização para que nossos consumos mensais possam ser realizados utilizando um site de cashback. Ter uma parte do valor gasto em itens básicos que vamos ter que adquirir de qualquer forma, representa uma economia significativa e fácil de ser realizada”

Já Sulamytha Brum, auxiliar administrativo, comenta que esse tipo de plataforma é prática e sempre que utiliza ganha o retorno esperado:

“Sempre opto por sites que possuem alguma parceria com cashback, porque além de adquirir o produto, é possível ter um retorno bastante significativo. E eu recebo tudo sempre direitinho. Nunca tive problema algum”

Lembrando que durante a pandemia as lojas estão acessíveis para os consumidores comprarem praticamente todos os itens como de costume em lojas físicas. Diversas empresas vendem e entregam nas casas tudo o que é necessário para o dia a dia, de compras de supermercados à vestuários e produtos automotivos.

O site de cashback Ganhe de Volta foi fundado em 2015. Conta com 2 escritórios – em Campinas/SP e Miami. Tem o maior acervo de lojas no Brasil, com mais de 2.100 lojas nacionais e internacionais cadastradas. Média de 350 mil acessos por mês e mais de 220 mil clientes ativos.

Com o site de cashback Ganhe de Volta o cliente compra nas lojas favoritas e ainda ganha parte do valor da compra de volta, em dinheiro.

*Matéria enviada pela assessoria de imprensa

LEIA MAIS: Como os setores de turismo e eventos enfrentam impacto da COVID-19

REDES SOCIAIS:

 

O setores de turismo e eventos foram os primeiros a sofrer com as medidas restritivas de circulação de pessoas, impostas em caráter global para prevenir o agravamento da pandemia do Covid-19. Os ingressos e pacotes de viagem, geralmente negociados com antecedência, provocam um sensível cenário entre consumidores e empresas.

No Brasil, um apoio importante foi a Medida Provisória nº 948/2020. O decreto estabelece uma série de regras referentes aos contratos celebrados antes da instauração da situação crítica e diz respeito a pacotes turísticos, viagens e eventos em geral. São previstas soluções de caráter transitório, visando assegurar os direitos do consumidor e também preservar as relações contratuais, criando condições para evitar a ruptura dos negócios.

Regras para cancelamento

É direito do consumidor cancelar serviços, reservas e eventos cujo cumprimento foi impossibilitado pela pandemia. Entretanto, se o cliente aceitar as medidas de reparação de danos, como o reagendamento dos serviços, reservas e eventos ou, ainda, a concessão de crédito para compras futuras, não há obrigação do prestador em ressarcir integralmente o consumidor.

De modo geral, as regras estabelecidas pela medida provisória procuram evitar a judicialização dos conflitos, entendendo que eventuais prejuízos neste momento são resultantes de caso fortuito ou força maior, desobrigando reparação por danos morais, multas ou outras penalidades previstas no Código de Defesa do Consumidor. Embora o equilíbrio de diretos das partes envolvidas seja o objetivo da MP, na prática, o entendimento jurídico que considera o consumidor o elo mais frágil dos processos pode ser um entrave às empresas.

Artistas e eventos 

Além das regras em relação ao turismo, a MP também regula a relação com artistas que tiveram seus eventos cancelados durante o estado de calamidade. Fica estabelecido que, se o evento for remarcado em até 12 meses, o organizador do evento não poderá exigir de quem iria se apresentar o reembolso do que já havia pago. Com este procedimento, a MP pretende evitar o enriquecimento injusto de qualquer uma das partes envolvidas no evento.

Ainda não foi esclarecido, porém, as implicações caso a organizadora do evento não tiver mais interesse em manter a apresentação de um artista, considerando que o mundo artístico é bastante sazonal .

“É importante reconhecer os esforços que o judiciário vem demonstrando para resguardar empresas e consumidores. Sabemos que os casos de direito do consumidor devem aumentar nos próximos meses, sobrecarregando o sistema judiciário. Por isso, evitá-los ainda é o melhor caminho para que nenhuma das partes saia perdendo” afirma Jayme Petra de Mello Neto, advogado do escritório Marcos Martins Advogados e especialista em Direito cível e societário.

Outras alternativas

A Organização Mundial do Turismo (OMT) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançaram a “Healing Solutions For Turismo Challenge”, um desafio global para startups e empreendedores do turismo. A missão é buscar soluções para diminuir os impactos da pandemia no setor, por meio de tecnologia e iniciativas inovadoras para o desenvolvimento sustentável em uma situação de crise.

Para reforçar a importância do Turismo no mundo, a OMT publicou no site da competição números importantes: em 2019, 1 em cada 10 empregos em todo mundo foi no Turismo. Ainda no ano passado, o Turismo teve 4% de crescimento e foi responsável por 7% das exportações mundiais. O setor também atingiu 1,5 bilhão de chegadas de turistas ao redor do globo.

A competição é aberta para startups, empreendedores de todo o mundo que tenham estratégias prontas para diminuir os impactos da pandemia de Covid-19 no turismo. Poderão ser inscritos métodos, processos, estruturas de governança, iniciativas de impactos sociais, aplicação de tecnologias e outras formas de inovação. As inscrições podem ser feitas até amanhã (15 de abril) pelo site.

Para o mercado de eventos, a aposta é na campanha “Não cancele. Remarque”. Juliana Ferraz, diretora de novos negócios e relações públicas da Holding Clube, defende que o momento é de todos falarem a mesma língua e de ter novos formatos nas relações comerciais. “É hora de reconstruir a relação cliente x agência. E, para isso, o mercado precisa estar unido e alinhado. Vai se dar bem aquele que estiver preparado para atender às demandas que vão surgir”, diz. Ideias incluem buscar novas oportunidades com os clientes já atendidos e novos leads a longo prazo.

Na visão de Pierre Mantovani, CEO do Omelete Company, responsável pelo maior festival de cultura pop do mundo, a CCXP (Comic Com Experience), além de todas as medidas, é importante observar as oportunidades no setor de streamings, games, conteúdos e serviços digitais. “Não podemos tirar o pé do acelerador e nossas plataformas ganham um novo protagonismo nesse momento no qual todos estão em casa. Este será visto como um ano de sobrevivência e iremos segurar todas as nossas metas de crescimento que serão adiadas para 2021”, explica.

Para Alexandre Sampaio, presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação, “é válido lembrar que, assim como outras situações, essa fase é passageira. O momento agora é de nos unirmos em prol da saúde mundial. A conscientização sobre o assunto permitirá que o fim da pandemia se aproxime o mais rápido possível.”

LEIA MAIS: 8 medidas tributárias para minimizar o impacto econômico das empresas

REDE SOCIAIS:

Plataforma paranaense, Vendizap foi criado para unir comerciantes e consumidores de forma simples e intuitiva e facilitar o delivery.

Em uma época sem precedentes no cenário global por conta da pandemia do Coronavírus que se espalha rapidamente, cabe aos empreendedores reinventarem seus negócios para sobreviver à única forma comprovada de combate à doença: o isolamento social.

Pode parecer conflitante, mas épocas de crise tornam-se campos verdadeiramente criativos. Se o cliente não pode ir até uma loja ou empresa para adquirir o que precisa, a internet e o delivery tornaram-se o canal principal de divulgação e venda de produtos e serviços. Uma boa estratégia de delivery ou retirada no ponto de venda garante a quem vende a continuidade da atividade, e conforto a quem compra.

Pensando bem, parece que “demorou” para inventarem uma solução que permite vender pela internet, sem a necessidade da criação, manutenção e toda a preocupação que um e-commerce ou marketplaces exigem.

Desenvolvido no Paraná, um dos mais competentes ecossistemas de criação de software do país, o Vendizap é uma solução para vendas online voltada para a montagem de vitrines virtuais intuitivas e descomplicadas, criada pela Makito Software, que conta com 26 anos de experiência em soluções para o mercado de varejoJá são mais de 3.000 vitrines virtuais criadas com o Vendizap.

O Vendizap facilita em muito a criação de um cadastro de produtos. Quem tem loja física, por exemplo, pode cadastrar os produtos rapidamente, sem dor de cabeça com configurações complicadas ou problemas com plataforma de loja online, e a empresa ou empreendedor escolhe um endereço personalizado para sua vitrine virtual.

O passo seguinte é compartilhar o link da vitrine nas redes sociais e para todos os seus clientes online. O cliente clica no link, abre a vitrine e escolhe o que deseja, sem precisar de um cadastro. Com o pedido completo ele manda uma mensagem direto para o canal da empresa, além da gravação direto na plataforma, tornando a venda muito mais fácil e rápida e, ao mesmo tempo, podendo manter a conversação personalizada com o cliente.

Para facilitar ainda mais a vida de quem já vende por outras redes sociais como Instagram, Facebook ou pelo próprio WhatsApp, reunir toda a vitrine virtual em um só endereço de acesso simples, é mais uma das facilidades oferecidas pelo Vendizap.

De acordo com o CEO da Makito, Luis Marcos Campos, o Vendizap é a solução ideal para empreendedores que precisem oferecer seus produtos de forma rápida e descomplicada. “A plataforma já vinha sendo desenvolvida antes mesmo da pandemia da Covid-19 e da obrigatoriedade do isolamento social e fechamento do comércio, mas faz-se ainda mais relevante neste cenário. É a solução ideal para os comerciantes enfrentarem os grandes desafios econômicos e, de quebra, mostrar que as pessoas não precisam sair de casa para comprar o que precisam”.

Empreendedores Individuais podem começar a vender na internet e criar um negócio lucrativo do zero, com o mínimo de esforço de venda, para que possa se dedicar ao ofício real e, assim oferecer mais qualidade aos clientes, contando inclusive com suporte online.

Pode ser mais simples vender pela internet e o Vendizap chega para comprovar essa ideia. Várias empresas já descobriram isso e adotaram essa ferramenta de vendas. Basta acessar https://www.vendizap.com/ e descobrir como uma crise pode significar a descoberta de maneiras mais simples de realizar as tarefas básicas de cada atividade. 

*Matéria enviada pela assessoria de imprensa

LEIA MAIS: 4 passos para começar a vender em Marketplaces

REDES SOCIAIS:

O marketplaces são canais de vendas online, algo como a ideia de shoppings centers virtuais, onde diversas marcas podem anunciar e vender seus produtos.

Para quem está começando no e-commerce, a venda via marketplaces é uma excelente oportunidade de ampliar a visibilidade do negócio, isso porque os sites que fazem a hospedagem investem pesado em divulgação, garantindo um tráfego de público bem acima do registrado pelas lojas individualmente.

No Brasil, as principais redes varejistas atuam como marketplaces, empresas como Walmart, Americanas, Magazine Luiza, Ponto Frio e Amazon são exemplos de autoridade no mercado.

Por outro lado, a forte concorrência e a ausência de personalidade da marca dentro da plataforma podem ser grandes desafios. É essencial ter bastante cautela na hora de anunciar e vender produtos no shopping virtual, qualquer detalhe pode fazer a diferença.

Pensando nisso, separamos algumas pontos essenciais para começar a vender nesses canais:

1) Contrato

Com tantas grandes marcas atuando com marketplaces, é natural que você fique em dúvida sobre qual (ou quais) escolher para colocar os seus produtos.

Ao definir os critérios que vão orientar a sua decisão, recomenda-se optar por aqueles que têm relação com o seu negócio. Dependendo do tipo de produto, nem sempre vale a pena entrar nos mais concorridos, nos quais sua marca terá pouco espaço para se diferenciar.

Além disso, é essencial analisar os contratos para entender os direitos e os deveres do seu e-commerce. Fique atento à questão das comissões cobradas, uma vez que esses custos precisam ser contabilizados na precificação dos seus produtos.

Na média, as comissões cobradas pelas plataformas variam de 10% a 30%, dependendo, por exemplo, da categoria que os itens se encaixam.

2) Padrões

Na organização do seu catálogo, considere as especificações adotadas em cada marketplace com relação à descrição, tamanho das imagens etc. Ter fotos em boa qualidade, que consigam exemplificar com riqueza de detalhes as especificidades do produto, potencializa e muito na decisão de compra.

A primeira imagem é sempre do produto em si, o fundo da imagem deve ser sempre neutro (branco de preferência) e demonstrar alguns ângulos diminuem a possibilidade de dúvidas do cliente final. Porém, para alguns itens específicos, tê-los aplicados ao ambiente de uso é importante, como jogo de lençol e fronhas, tapetes e cortinas.

Outro chamariz é um bom título, que esclarece, de forma sucinta, o que é realmente o produto. Agregar características específicas também colabora.

A falta de atenção a estes detalhes pode prejudicar a exibição das suas mercadorias e, dependendo do caso, até determinar a sua exclusão do sistema.

3) Chamar atenção

Além de apresentar os produtos de qualidade, o lojista precisa utilizar outros artifícios para chamar a atenção do cliente e manter uma relação. A atuação em marketplaces costuma ser bastante impessoal, mas oferecer o básico nem sempre é o suficiente para garantir uma venda.

O jeito mais fácil de atrair novos consumidores acaba sendo o preço. Valores mais baixos e ofertas costumam ganhar destaque dentro do site e também em mecanismos de busca como Google. Com isso em mente, ter uma boa estratégia para descontos e promoções pode ser um ponto-chave para angariar mais clientes.

Outro fator que pesa nesse quesito é o custo do frete, que pode acabar afugentando o consumidor no final do processo de compra. Manter um equilíbrio entre o valor do produto e o da entrega é essencial para deixar o negócio interessante e competitivo. Fazer um estudo com base no tempo de entrega e na quantia pedida por concorrentes pode ser um ótimo passo inicial para o seu planejamento.

4) Experiência

Uma das vantagens dos marketplaces é a possibilidade de alcançar um público diferente daquele que frequenta a sua loja. Assim, ao efetuar uma venda, certifique-se de oferecer uma boa experiência para aquele cliente.

Todo o processo de venda vai acontecer por meio da plataforma da loja, no entanto, o e-commerce tem como mostrar o valor da sua marca ao fazer, por exemplo, uma entrega mais personalizada, e cuidar do pós-venda.

Com uma experiência de compra diferenciada, fica mais fácil do cliente lembrar-se da sua marca e retornar para uma venda direta, dispensando o intermédio – e comissão – do próprio marketplace.

LEIA MAIS: 5 segredos de um E-commerce de sucesso

REDES SOCIAIS:

A maioria dos países está suspendendo o pagamento dos impostos para ajudar as empresas e pessoas físicas a enfrentarem os efeitos da paralisação da atividade econômica por conta da pandemia da Covid-19.

A resposta brasileira é uma das mais tímidas na área tributária. Algumas empresas e entidades estão recorrendo à Justiça para conseguir a suspensão no pagamento de tributos. O Congresso também se movimenta para tomar medidas, se antecipando ao Governo.

Ainda assim, algumas alternativas já estão funcionando Confira 8 medidas que podem minimizar o impacto econômico na sua empresa:

1) Fundo de Garantia

O recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) foi suspenso nos meses de março, abril e maio. A medida pode ser adotada por todas as empresas, independentemente do número de funcionários, regime de tributação, adesão prévia e ramo de atividade econômica. As competências poderão ser parceladas em até seis vezes a partir de julho.

2) PIS, Cofins e Previdenciária parte patronal

Semelhante à proposta anterior, essa medida permite que as empresas paguem as contribuições PIS, Cofins e previdenciária parte patronal referentes aos meses de abril e maio apenas em agosto e outubro.

3) Protestos

O Governo São Paulo suspendeu os protestos de dívidas tributárias, como IPVA e ICMS, por 90 dias. A ideia é que as empresas realoquem o valor que seria gasto com os impostos para cobrir outras despesas essenciais.

4) Prorrogação das Certidões Negativas de Débitos 

A Receita Federal e a Procuradoria Geral da Fazenda prorrogaram por 90 dias a validade das Certidões Negativas de Débitos (CND) e Créditos Positiva com Efeito de Negativa (CPEN), que indicam que as empresas têm pagamentos de tributos pendentes com a União.

5) Atos processuais e procedimentos administrativos 

A Receita Federal do Brasil decidiu suspender, temporariamente, o prazo de atos processuais e procedimentos administrativos.

Na lista estão atos como a emissão eletrônica de aviso de cobrança e intimação para pagamento de tributos, a notificação de lançamento da malha fiscal da pessoa física e a exclusão de contribuinte de parcelamento por inadimplência de parcelas.

6) Desoneração do IPI e do Imposto de Importação

Produtos que serão utilizados no combate ao Covid-19, como máscaras, álcool em gel, desinfetantes, vestuário e acessórios de proteção, tiveram a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados reduzida a zero até setembro deste ano. Trata-se de uma forma de garantir a manutenção desses materiais no mercado e combater a propagação do vírus. O imposto sobre importação para alguns produtos médicos e hospitalares também foi zerado até 30 de setembro.

7) Simples Nacional

Empresas que faturam até R$ 4,8 milhões ao ano, cerca da metade dos empreendimentos brasileiros, podem ser optantes do Simples Nacional e se beneficiar das medidas para a categoria.

Foi estabelecida a suspensão por três meses do pagamento da parcela da União, referente aos tributos federais. Os pagamentos cujos vencimentos seriam originalmente nos dias 20/04/2020, 20/05/2020 e 22/06/2020 foram prorrogados e serão recolhidos a partir dos dias 20/10/2020, 20/11/2020 e 21/12/2020, respectivamente.

Importante destacar que a prorrogação do prazo abrange apenas os Tributos Federais, sendo devidos os tributos Estaduais e Municipais, exceto em locais em que foram editadas legislações específicas desobrigando o pagamento destes.

8) Linha de Empréstimos

O governo federal criou uma linha de crédito de R$ 34 bilhões para garantir o pagamento dos salários em empresas com receita anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões durante a pandemia do coronavírus. Para ter acesso ao Programa Emergencial de Suporte a Empregos, o empresário fica impedido de demitir funcionários por pelo menos 60 dias. O plano está previsto em uma medida provisória (MP 944/2020) editada na útlima sexta-feira (3) pelo presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o texto, 85% do valor de cada financiamento é custeado com recursos da União. Os 15% restantes ficam a cargo das instituições financeiras. Os bancos podem formalizar as operações de crédito até o dia 30 de junho e cobrar taxas de juros de até 3,65% ao ano. O prazo para o pagamento é de 36 meses, com carência de seis meses.

Fontes: Agência Senado e Ângelo Ambrizzi.

LEIA MAIS: Como liderar uma equipe à distância com eficiência

REDES SOCIAIS: