Empresa de sorvetes tem faturamento maior que o esperado no segundo semestre de 2020, durante a pandemia

A UEPA! Sorvetes nasceu em 2002, na cidade de Presidente Prudente, fundada por Paulo Sergio Betinardi. Sua trajetória com a empresa de sorvetes inicia na década de 1990. Ele trabalhava no segmento de gerenciamento de atacado e ali teve contato com o ramo por conta de uma das marcas que atendia.

Em 1998, surge a oportunidade de Paulo comprar a primeira sorveteria para sua esposa e nisso, se apaixonou pelo segmento. “Na verdade, eu sou da área comercial, sempre gostei muito de conversar, de estar no meio das pessoas”, conta.

Ele explica que o sorvete é interessante pela sua elaboração e pela oportunidade de o cliente conhecer aquilo e ter uma sensação muito boa. “Isso deixa a gente muito feliz”, relata.

Crescimento e ampliação da UEPA!

No mercado há 18 anos, em 2016 aconteceu a ampliação da única fábrica da empresa de sorvetes. Com isso, surgiu uma segunda empresa, a Sinergia, focada na terceirização de produtos para setor mercadistas. Neste segmento, a Sinergia entra com o produto e os supermercados com sua própria marca.

Produto terceirizado da UEPA! Sorvetes

E por falar em mercados, esses são os principais clientes da UEPA! Sorvetes – na qual os produtos de mais rentabilidade e adesão são os potes. Com o tempo, a empresa foi trabalhando o PCI (Perfil de Cliente Ideal) e se especializaram em supermercados. “É um cliente que exige mais da gente, mas temos um retorno interessante”, detalha o gestor Paulo Sergio. Ele diz que isso se deve à não existência de inadimplência.

O IEV e a UEPA! Sorvetes

Ao longo do tempo, Paulo Sergio foi identificando suas maiores dores e medos como gestor. O maior deles é achar que a equipe comercial depende 100% dele. Além disso, uma de suas dificuldades era encontrar os indicadores de cada um dos departamentos da sua empresa de sorvetes.

Com o IEV, que conheceu por meio da franquia de Presidente Prudente, percebeu que o treinamento está sendo uma “ferramenta de ajustes”. Ele ainda explica que a decisão de fechar com o IEV foi uma decisão dele em consonância com seu time de vendedores.

O gestor – que atualmente cuida da parte comercial – relata que o Programa de Desenvolvimento Comercial tem o ajudado a fazer as contratações, na gestão da carteira de clientes, afinar o PCI e na identificação dos seus indicadores.

Paulo também afirma que vem se especializando para ser um apoio, um suporte para a equipe, porém, seu desejo é que a equipe também estude e se aperfeiçoe.

Os efeitos da pandemia

A Covid-19 chegou e o gestor precisou mudar seu olhar dentro da empresa. Ele nos conta que antes, observava somente o faturamento e, com a pandemia, eles passaram a olhar para outros cenários.

Apesar disso, a empresa de sorvetes não teve redução de seu faturamento, pois seus clientes, os supermercados, tiveram crescimento. “O segundo semestre teve um crescimento maior do que esperávamos”, ressalta.

Já em relação ao seu time comercial, ele pontua: “O vendedor está mais justo, está com menos clientes e fazendo um trabalho mais focado. Está todo mundo remando para o mesmo lado, com os mesmos sonhos”.

Recomendaria o IEV?

“Eu estou muito feliz com o IEV”, conta o gestor, e complementa que sim, indicaria o IEV. “Com qualquer um dos mentores que a gente conversa, parece que nós somos amigos há muito tempo. A gente percebe que o IEV se importa verdadeiramente”, ele finaliza.

Para conhecer mais sobre as soluções do IEV para sua empresa, clique aqui!